Está aqui

Golpe e contragolpe na Turquia

A madrugada de 15 de julho ficou marcada pela tentativa de golpe militar na Turquia. Mas as tropas fieis ao presidente Erdogan conseguiram travar o golpe. Em seguida, Erdogan declarou o estado de emergência e deu início a uma caça às bruxas que ainda decorre, com o objetivo de consolidar o poder absoluto no país.
Foto Dominique A. Pineiro/DoD/Flickr

A operação destinada a depor o presidente turco foi preparada por altas patentes militares, que colocaram tanques nas ruas e aviões e helicópetros a sobrevoar a capital na noite de 15 de julho. Erdogan preparava-se para regressar à Turquia e fez uso das redes sociais para apelar à população para travar o golpe militar em curso. Muitos apoiantes corresponderam ao apelo e saíram às ruas confrontando os militares golpistas. Todos os partidos da oposição condenaram o golpe e apelaram ao respeito pelas eleições democráticas ocorridas meses antes. Horas depois do início do golpe, era já evidente que este havia fracassado.

Erdogan foi rápido a prometer que os autores do golpe pagariam cara a sua traição. E apontou o dedo ao clérigo Fethullah Gülen, outrora um dos seus principais aliados, agora exilado nos Estados Unidos, como estando por trás da tentativa de o depor. Gülen rejeitou as acusações e devolveu-as ao presidente, a quem acusou de encenar o golpe para reforçar os seus poderes.

De imediato, Erdogan deu início a uma purga que não poupou nenhum setor da administração pública: exército, polícia, serviços secretos, universidades, comunicação social, autarquias e governos regionais. Ao todo, foram feitos mais de cem mil saneamentos no Estado turco e dezenas de milhares de pessoas continuam presas à espera de julgamento. Os órgãos de imprensa não alinhados com o governo foram silenciados.

A segunda fase da caça às bruxas dirigiu-se à oposição curda, com o encerramento dos meios de comunicação social em língua curda e um ataque dirigido em especial ao Partido Democrático do Povo (HDP), cuja entrada no parlamento retirou a maioria absoluta ao partido de Erdogan. Para além do afastamento dos seus autarcas, a vaga de repressão alastrou aos próprios deputados, acusados de ligações ao terrorismo, o que levou à prisão de dez parlamentares, entre eles os dois lideres do HDP.

A vaga de atentados no segundo semestre do ano contra alvos militares e policiais, reivindicada por um grupo próximo do PKK, os Falcões da Liberdade do Curdistão (TAK), fez aumentar a repressão sobre o HDP. Em dezembro, na sequência de um destes atentados, várias sedes do partido foram atacadas e incendiadas por grupos apoiantes de Erdogan, ante a passividade da polícia e do exército.

Resto dossier

Os temas de 2016

Neste ano em que todos os perigos se adensaram no mundo e em que a Europa falhou no principal, Portugal conseguiu provar que a política de austeridade não é inevitável e deu esperança na luta pela mudança social em defesa dos mais pobres e do trabalho. Veja aqui uma seleção de alguns temas que marcaram o ano de 2016 em Portugal e no mundo.

Um ano de acordo à esquerda

O ano ficou marcado pela reversão de medidas do anterior governo PSD/CDS e pela recuperação de rendimentos. O acordo que viabiliza o atual executivo do PS veio provar que era possível outro caminho. É preciso ir ainda mais longe, nomeadamente no combate à precariedade, e não aceitar recuos na defesa dos direitos.

Donald Trump na série Simpsons

Donald Trump, de farsa a ameaça global

A eleição de Donald Trump para Presidente dos EUA é um elemento central no movimento de extrema-direita internacional.

Urso polar num iceberg a derreter.

2016, o ano mais quente de sempre que já não é notícia

Dos 17 anos mais quentes desde que há registos, só um não pertenceu ao século XXI. Alterações climáticas são a constante mais evidente num tempo de instabilidade fortemente associada à crescente degradação material do planeta. Por João Camargo.

Presidenciais: a eleição de Marcelo e o resultado histórico de Marisa

Com a maior abstenção de sempre em eleições sem recandidaturas presidenciais, a vitória de Marcelo acabou por se traduzir na pior votação do atual Presidente, comparando com os seus antecessores. Com mais de 10% dos votos, Marisa Matias conseguiu superar o melhor resultado da área do Bloco e tornou-se a mulher mais votada de sempre para a Presidência.

 

X Convenção do Bloco

Convenção do Bloco com mira apontada às ameaças de Bruxelas

A X Convenção do Bloco foi a primeira realizada num contexto político em que o Bloco integra a maioria parlamentar que afastou a direita do poder. As principais críticas foram dirigidas a Bruxelas e às ameaças de sanções a Portugal.

As principais vítimas desta deriva punitiva são os países do sul, vergados a políticas de austeridade extremas que provocaram uma regressão social devastadora.

Sanções: O rolo compressor da chantagem política

Quando a Comissão Europeia (CE) “aprovou” o Orçamento do Estado de Portugal para 2017, embora com avisos de que iria manter uma vigilância apertada sobre o mesmo, já tinha deixado um historial de ameaças sobre imposições de sanções que acabaram por se tornar num dos assunto do ano.

Golpe e contragolpe na Turquia

A madrugada de 15 de julho ficou marcada pela tentativa de golpe militar na Turquia. Mas as tropas fieis ao presidente Erdogan conseguiram travar o golpe. Em seguida, Erdogan declarou o estado de emergência e deu início a uma caça às bruxas que ainda decorre, com o objetivo de consolidar o poder absoluto no país.

11 dos 17 ativistas angolanos que foram julgados.

Repressão em Angola

Os 17 jovens ativistas angolanos foram acusados de “atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores” e condenados a penas entre os dois e os oito anos, apesar de depois terem recebido uma amnistia. Eduardo dos Santos foi reeleito presidente do MPLA por 99.6% dos votos e prepara sucessão.

 Estima-se que quatro milhões de sírios tenham fugido do país. Foto Obvius

Os refugiados e os interesses que os aprisionam

O ano que agora termina continuou a ser marcado pela crise dos refugiados, vítimas de um complexo de jogo de interesses que continuou a desprezar os Direitos Humanos daqueles que fogem do terrorismo e da guerra.

Durão Barroso

Durão Barroso contratado pela Goldman Sachs

As aventuras e desventuras de Durão não se esgotaram na Comissão Europeia. Menos de dois anos depois de terminar o seu mandato foi contratado pelo banco de investimento mais agressivo do Mundo, com quem já tinha uma longa parceria.

Logotipos da Monsanto e da Bayer.

Bayer compra Monsanto

Farmacêutica comprou multinacional produtora de sementes geneticamente modificadas e de pesticidas, entre os quais o glifosato. Grupo resultante será o maior do ramo e representará um desastre para a nutrição global.

A seleção portuguesa soube interpretar o realismo tático definido por Fernando Santos. Foto Fragmentos

Euro 2016: Os méritos de um campeão improvável

Apesar de ter vários jogadores de craveira internacional, Portugal acabou por ser um campeão europeu improvável, sobretudo se tivermos em linha de conta que jogou a final contra a França, país organizador do Europeu. Por Pedro Ferreira.

Manifestações em São Paulo contra Michel Temer. Foto de Sebastiao Moreira/EPA/Lusa

Brasil: 2016 marcou o fim da hegemonia do PT

O ano marcado pelo afastamento de Dilma Rousseff e pelo fim dos governos hegemonizados pelo PT termina com mais incógnitas que certezas. Por Luis Leiria, no Rio de Janeiro.

Adicionar novo comentário