Está aqui

Drones: a guerra no joystick

Os drones estão a ajudar à criação de um estado de guerra permanente, banalizando o uso da força letal e erodindo os direitos humanos, facilitando a escalada da guerra.
Os drones criam uma “mentalidade de Playstation” nos pilotos, que têm tendência a encarar a sua atividade como um jogo de guerra e não como uma guerra real

Resumo da apresentação feita no painel "Drones: a guerra no Joystick" no Fórum Socialismo 2014, sábado 31 de setembro às 10h30.

(Diapositivo 1)

Há uma explosão do fabrico e do uso dos drones

Particularmente pelos Estados Unidos e pela Grã-Bretanha, mas também por Israel. Calcula-se que atualmente cerca de 40 países estão a desenvolver ou a usar drones.

(Diapositivo 2)

Gastos com drones por parte dos Estados Unidos:

2001 – 350 milhões de dólares.

2006 – 1700 milhões.

2011 – 4100 milhões.

Quantos drones?

Segundo um relatório do Congresso dos EUA, mais de 1/3 dos aviões militares dos EUA são drones (cerca de 7.500)

(Diapositivo 3)

História dos drones:

Drone quer dizer zângão. Em 1935, o chefe do Estado-Maior da Armada dos Estados Unidos visitou o Reino Unido e ficou impressionado com um avião não-tripulado que era usado para o treino da artilharia anti-aérea. Era um De Havilland 82B Queen Bee (abelha rainha). O almirante voltou entusiasmado com a ideia e o primeiro avião não-tripulado chamou-se Drone (zângão). O nome acabou por se mostrar apropriado pelo barulho dos motores dos atuais drones, que parecem o zumbido de uma abelha.

Mais recentemente, começaram a ser usados pela NATO com missões de vigilância nos Balcãs e pelos EUA na 1ª guerra do Golfo, anos 90. Foi na guerra do Kosovo que os militares da NATO, na guerra do Kosovo, começaram a pensar em armar os drones.

O primeiro Predator armado com mísseis foi usado no Afeganistão cerca de um mês após o 11 de setembro.

(Diapositivo 4)

Drones de ataque

Os mais usados são o Predator, fabricado pela General Atomics, e a sua versão mais moderna, o Reaper. Este pode chegar a uma autonomia de voo de 42 horas, com a instalação de tanques de combustível suplementares, já que tem um trem de aterragem reforçado. Pode levar 680 kg de bombas guiadas por laser e mísseis ar-terra. Está em testes o uso de mísseis ar-ar. Tem uma velocidade máxima de 480 km/h e de cruzeiro de 313 km/h. A sua altitude operacional é de 25.000 pés (7.500 metros).

Onde são usados

Os EUA usam-nos principalmente no Afeganistão, Paquistão e Iémen, mas também no Iraque, Somália e Líbia. O Reino Unido tem um esquadrão de drones no Afeaganistão. Israel usa drones nos territórios ocupados, mas também já os terá usado no Sudão e no Egito.

(Diapositivo 5)

Como são usados

O principal centro de controlo dos drones americanos e ingleses fica nos Estados Unidos, no estado de Nevada. A comunicação é feita via satélite, mas mesmo assim há uma latência de dois segundos entre os comandos dados em Nevada e a sua receção pelos drones no outro lado do mundo, o que seria suficiente para provocar desastres se algo acontecesse nos momentos críticos da descolagem e aterragem. Assim, a descolagem é feita pelo pessoal em Kandahar, que passa em seguida o controlo para os Estados Unidos. Quando da aterragem, o controlo é repassado para o Afeganistão.

Quantas pessoas tem a tripulação de um Reaper?

Três pessoas: um piloto, um responsável pelas comunicações e um terceiro que está em contacto com as tropas terrestres e repassa para elas os feeds das câmaras do avião.

Quem está envolvido no fabrico de drones?

Boeing, General Atomics, Lockheed Martin, Northrop Grumman, Aerovironement, Prox Dynamics AS, SAIC, Israeli, Aerospace Industries, Textron, General Dynamics.

Quantas baixas já provocaram?

Segundo o Bureau of Investigation Journalism, houve cerca de 4000 baixas no Paquistão, Iémene, Afeagnistão e Somália, dos quais 954 civis e 225 crianças.

Parte 2

Os drones são vistos como tendo revolucionado as estratégias militares desde que começaram a ser usados

(Diapositivo 6)

Quais são as diferenças principais com aviões tripulados?

1) São controlados por pilotos que podem estar do outro lado do mundo. Têm um grande poder de fogo e capacidade de vigilância, mas se forem abatidos ou tiverem uma avaria não haverá baixas. É mais fácil começar uma guerra quando se tem a certeza de que não haverá militares a voltar em sacos de pano.

2) As suas missões duram muito mais tempo que as dos aviões tripulados. Estes, no máximo podem voar oito horas; os drones, de 18 a 20 e até, em condições especiais, no caso dos Reapers, podem chegar a voar 42 horas sem abastecer; só a tripulação é substituída.

3) São muito mais baratos que os aviões tripulados, voam indiferentemente de dia ou noite e podem voar a grandes altitudes sem necessidade de sistemas de ar para os pilotos e sistemas de pressurização.

(Diapositivo 7)

Por que os drones são uma má notícia?

1) Porque tornam mais fácil a decisão política de começar uma guerra, já que se sabe à partida que não vai haver baixas.

2) Porque criam uma “mentalidade de Playstation” nos pilotos que têm tendência a encarar a sua atividade como um jogo de guerra e não como uma guerra real, onde aqueles pontinhos no ecrã não são apenas pixeis, são pessoas reais. Mesmo assim, há pilotos que pediram para sair do cargo ao verificarem que tinham causado a morte de civis. Um piloto disse a uma reportagem que o mais estranho é de manhã levar os filhos à escola e depois ir matar pessoas.

3) Porque tornam mais fácil – e por isso ampliam-na – a prática dos assassinatos extrajudiciais. Esta prática tem sido particularmente incentivada e defendida por Barack Obama, muito mais que o seu antecessor.

4) Porque a precisão dos “ataques cirúrgicos” é um mito. Apesar de as bombas guiadas por laser serem mais precisas, mesmo em testes a sua margem de acerto é de 50%. No terreno da guerra, é mais difícil de avaliar porque não há dados. Mas no Paquistão, o Bureau of Investigation Journalism fala de 450 a 900 civis mortos de ataques com drones.

Larry Lewis, que estudou dados mantidos confidenciais em relação ao Afeganistão, disse ao The Guardian que os ataques de drones são 10 vezes mais mortais para civis que os desferidos por jatos tripulados.

5) Porque criam mais instabilidade que segurança aos EUA. Criam mais raiva e ressentimento aos povos sob ataque e por isso em vez de pacificar, facilita o recrutamento de mais combatentes. Robert Greiner, ex-chefe da secção de contra-terrorismo da CIA de 2004 a 2006 disse: “Estamos a criar mais inimigos que os que retiramos dos campos de batalha”.

(Diapositivo 8)

6) Com tudo isto, os drones estão ajudar à criação de um estado de guerra permanente, mudando as leis da guerra, banalizando o uso da força letal e erodindo os direitos humanos, facilitando a escalada da guerra.

Parte 3

(Diapositivo 9)

Drones usados para vigilância interna. Nos EUA, usados para vigilância das fronteiras e em Estados que já autorizaram, como Texas ou Flórida. Drones com múltiplas câmaras, que podem seguir um grupo e manter a vigilância mesmo se o grupo se separar.

Futuro:

Drones stealth

Nanodrones

Drones que voam em enxame.

Nota: os diapositivos estão no ficheiro PDF em anexo.

AnexoTamanho
PDF icon drones_apresentacao.pdf1.48 MB

Sobre o/a autor(a)

Jornalista do Esquerda.net

Resto dossier

Fórum Socialismo 2014

O Fórum Socialismo 2014 – Debates para a Alternativa reuniu 320 pessoas em Évora, entre os dias 29 e 31 de agosto, que participaram em cerca de 40 sessões plenárias, mesas redondas, painéis e conversas. 

Impõe-se que o processo de privatização dos transportes em Lisboa e no Porto seja imediatamente suspenso e que o Governo negoceie a transferência da gestão e propriedade. Foto de Michael Day

Privatizações dos transportes: é bom para quem?

O atual Governo tem prosseguido uma política de destruição dos transportes públicos.

Thomas Piketty. Foto de Sue Gardner

O que há de novo em Thomas Piketty?

É indisfarçável o incómodo dos economistas liberais com o Capital no Século XXI. Atribuiem à obra um fundamentalismo ideológico, esgravatam para desmentir a realidade dos dados, convidam-no a estudar as experiências soviéticas. Por Gonçalo Pessa.

Foto de Paulete Matos

De que é a esquerda não pode abdicar?

A esquerda tem a obrigação de quebrar o “monopólio dos profissionais” políticos, em que a uns é dada a função de fazer a política e a outros é dada a possibilidade de os seguir ou apoiar. A esquerda deve ser capaz de envolver todos e todas, deve ser inclusiva, pedagógica. Basta lembrar os tempos do PREC, as canções do GAC ou os cadernos de educação popular, para perceber que uma verdadeira esquerda quer – autenticamente – que todos as pessoas se assumam como atores políticos. Por Inês Barbosa, Investigadora, do movimento de cidadãos de Braga.

Catarina Martins: “Nós já pagamos, só nos falta mandar”. Foto de Paulete Matos

Bloco contra a reprivatização do Novo Banco e pelo controlo público da banca

Catarina Martins afirma que o Estado “não pode limpar um banco sistémico e devolvê-lo, limpinho, a banqueiros privados que provaram não ter vocação para gerir bancos”. Considerando que esta intervenção deve ter retorno para os contribuintes, a coordenadora do Bloco defende o controlo público sobre todo o sistema bancário.  

Semedo: Bloco defende convergência, mas não uma mera alternância

O coordenador do Bloco de Esquerda afirmou na abertura do Fórum Socialismo 2014 que da disputa interna no PS não vai nascer uma alternativa de esquerda. João Semedo sublinhou que o Bloco defende “a convergência, o diálogo e a aproximação”, mas não está disponível “para dar o braço a quem faz da política uma simples rotação”.

 Foto de Paulete Matos

Francisco Louçã: Portugal precisa de união muito forte contra a austeridade

No Fórum Socialismo 2014, Francisco Louçã defendeu a necessidade de “uma união muito forte” em Portugal contra a austeridade, alertando que o país tem “20 anos de protetorado pela frente”, o que o torna numa “democracia pequenina”.

João Ferreira do Amaral foi entrevistado pelo Esquerda.net

“É benéfico para Portugal sair do euro”

O economista João Ferreira do Amaral defendeu no Fórum Socialismo 2014 que Portugal não tem sustentabilidade na zona euro, e que a saída seria fundamentalmente a forma de reforçar o crescimento económico e alterar a estrutura produtiva do país no sentido de uma melhor inserção na globalização.

Pedro Filipe Soares: BES foi alvo de gestão danosa pela família que o detinha e objeto de um saque.

BES: “Maioria governamental não pode ser força de bloqueio em comissão de inquérito”

Num debate no Fórum Socialismo 2014, Pedro Filipe Soares salientou também: “O Governo tinha prometido que nem um cêntimo dos contribuintes ficaria em risco. O que vemos agora é que não são cêntimos, são centenas de milhões que poderão estar em causa com esta solução”.

Marc Blyth

Austeridade: História de uma ideia perigosa

Apresentação de Mariana Mortágua sobre a história da austeridade com base no livro de Marc Blyth Austerity: "The History of a Dangerous Idea".

“Por uma Europa dos povos e dos direitos sociais, contra a que aniquila o Estado social”

No Fórum Socialismo 2014, Marisa Matias salientou que os casos da Grécia e de Espanha, dão “esperança” numa “Europa que volte a ser a Europa dos povos e dos direitos sociais. Miguel Urban, do partido espanhol Podemos, afirmou que “não democratizar a Europa” será “o pior” que se pode “fazer aos povos europeus e o melhor aliado” para a extrema-direita.

Apesar do seu louvor ao campo e às ‘alegrias do trabalho agrícola’, nem Salazar nem Cavaco Silva delinearam estratégias para desenvolver esta atividade e o mundo rural em Portugal.

‘Old Wine in New Bottles’?

O que (não) há de novo no horizonte (2020) para o desenvolvimento rural e a agricultura em Portugal. Por Elisabete Figueiredo.

A crítica à presença exagerada do futebol nos media deve ser realizada a partir da vontade de conhecer o fenómeno, tanto do ponto de vista histórico, como a partir da sua inscrição social contemporânea.

Futebol: o ópio do povo?

Apresentamos aqui os pontos de vista de Óscar Mascarenhas e de Nuno Domingos sobre o mais popular desporto de Portugal.

A regressão social que vivemos, com o desmantelamento do Estado Social e com a redução de salários e de direitos, faz aparecer alternativas que fogem ao confronto com o capitalismo. Foto de Paulete Matos

Rendimento Básico Incondicional (1)

A mesa redonda sobre o Rendimento Básico Incondicional apresentou dois pontos de vista. Pra Adriano Campos e Ricardo Moreira, desistir da exigência do pleno emprego é anunciar a morte do direito ao trabalho.

As políticas redistributivas, além de se terem revelado ineficazes, têm também provocado nas pessoas uma atitude de desconfiança em relação ao Estado social. Foto de Paulete Matos

Rendimento Básico Incondicional (2)

A mesa redonda sobre o Rendimento Básico Incondicional apresentou dois pontos de vista. Neste artigo, Roberto Merrill examina a crítica ao RBI que considera a mais pertinente – a “objeção da exploração”.  

Trabalhos de casa

Trabalhos de casa: são uma seca? (1)

Na mesa redonda sobre os TPC apresentaram-se dois pontos de vista diferentes. Aqui, o texto “'Trabalhos de Casa' uma questão na ordem do dia ”, de Maria José Araújo.

Falta tempo às crianças para brincar e para interagir com os seus pares. Os tempos livres foram capturados.

"Trabalhos de casa": são uma seca? (2)

Na mesa redonda sobre os TPC apresentaram-se dois pontos de vista diferentes. Aqui, o texto de Serafim Duarte.

Fotogaleria do Socialismo 2014

Acompanhe o olhar da fotógrafa Paulete Matos, que acompanhou o Fórum Socialismo 2014 - Debates da Alternativa.

Em setembro de 2012, mais de cem mil pessoas manifestaram-se em Paris contra o Tratado Orçamental que Hollande ratificou. Foto André Fernandes

O que é o Tratado Orçamental?

Porque é que é irrealista cumprir este Tratado? Os dados históricos revelam-nos que os saldos orçamentais estruturais, mesmo os dos países do centro da UE, muito raramente cumprem os requisitos estipulados no Tratado. Por Samuel Cardoso.

Neoliberalismo, fetichismo técnico-cientificista e ciência

As instituições académicas e científicas têm perdido autonomia relativa face aos imperativos dos mercados e da lógica capitalista, o que, no momento atual, parece desfazer o ganho e a construção histórica e institucional do campo científico e académico como campo semi-autónomo de poder e de construção de conhecimento amplamente útil, crítico e reflexivo. Por Tiago Lapa

Etiquetas do movimento Open Data. Foto de Jonathan Gray

Dados e transparência para um ativismo esclarecido

Os movimentos "open data" são um desenvolvimento recente e localizado de luta pelo acesso à informação pública, e têm vindo a obter frutos em vários países, incluindo a UE, incentivando os governos e agentes políticos a publicar livremente a informação pública. Por Ricardo Lafuente

"O casamento para todos é agora": manifestação em França

O reconhecimento da identidade de género como processo emancipatório: percursos legais

Nos últimos anos os movimentos trans (transexuais e transgénero) têm vindo a confluir numa reivindicação base muito concreta, mas nem por isso tão fácil de colocar em prática: o reconhecimento legal da identidade de género. Por Júlia Mendes Pereira

Os drones criam uma “mentalidade de Playstation” nos pilotos, que têm tendência a encarar a sua atividade como um jogo de guerra e não como uma guerra real

Drones: a guerra no joystick

Os drones estão a ajudar à criação de um estado de guerra permanente, banalizando o uso da força letal e erodindo os direitos humanos, facilitando a escalada da guerra.  

Adicionar novo comentário