Está aqui

Biblioteca

O seu aspecto infundia terror às crianças e repulsão aos adultos; não tanto pela sua altura e extraordinária magreza, mas porque a desgraçada tinha um defeito horrível: haviam-lhe extraído o olho esquerdo; a pálpebra descera mirrada, deixando, contudo, junto ao lacrimal, uma fístula continuamente porejante. 

Agitou-se no banco, envolveu-se melhor no dominó, que a noite ia-se pondo fria, e resolveu esperar com resignação. Passou, porém, uma hora, duas, e ela sem aparecer... A inquietação mordeu-lhe novamente a alma... Porque não viria? Onde estaria àquelas horas da noite?...

Levantei-me rapidamente da borda da cama, e, no mesmo instante, o capitão pôs-se também em pé, dando um grito de surpresa. Tinha-me voltado para apanhar a lanterna e examiná-la, quando lhe ouvi a exclamação e em seguida gritar por socorro.

– Pelo sangue de Cristo, sim, mimosa – responde o carmelita, atirando a sra. Rodin ao leito – sim, alma pura, fiz de seu marido um padre, e, enquanto o farsante celebra um mistério divino, apressemo-nos a levar a cabo um profano...

– Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa muito boa.

Responderam-lhe:

– Sempre queremos ver isso.

No cerne do alvoroço alarmado, os socorristas encontraram Joel num sono plácido, exalando como um corpo vivo há muito sem gel de banho exala. Há quanto tempo o vosso amigo está assim? Há um dia e meio, pelo menos... Conto inédito

Eu presenciei o espanta-diabo do princípio ao fim, graças a uma feliz sequência de circunstâncias, e quero descrever tudo para os verdadeiros conhecedores e para os amadores do sério e do elevado, de acordo com o gosto nacional.

Para aqueles que estudam a grande arte de viver na cama, devo de forma enfática incluir uma palavra de cautela: se ficar na cama até tarde, faça isso sem nenhuma justificativa.

Que horas podiam ser? Parecia que eu caminhava havia um tempo infinito, pois as minhas pernas amoleciam debaixo de mim, o meu peito arfava, e eu sofria terrivelmente de fome.

Uma modesta proposta para prevenir que, na Irlanda, as crianças dos pobres sejam um fardo para os pais ou para o país, e para as tornar benéficas para a República.

Páginas

Um jornalismo pode ser digno e competente, dando as notícias e contando as histórias do presente. Mas poderá dar as notícias e contar as histórias do presente se ignorar o passado?

A batalha mediática à volta de Almaraz revela governantes fracos, governos sujeitos à vontade de poderosas empresas de energia e, acima de tudo, uma gigantesca ameaça sob as populações de dois países.

Há já muito tempo que o SNS tem sido alvo de uma degradação programada e progressiva, tendo esta sido contraposta pelo reforço da importância de seguros de saúde e unidades de saúde privadas.

Para o Bloco de Esquerda a questão é porquê continuar com este negócio de transferir 450 milhões de euros por ano para privados quando ele não representa nenhuma vantagem para o público?

Trump reage reafirmando tudo o que é. E Trump é a agonia da política.

No próximo dia 18 de janeiro, o Bloco de Esquerda leva os transportes ao debate na Assembleia da República: saiba porquê. Por Heitor de Sousa.

Lisboa é hoje vítima das piores escolhas em matéria de urbanismo e mobilidade assumidas nas últimas quatro décadas. Por Ricardo Robles.

A reversão da privatização dos transportes no Porto, que a Direita queria entregar a uma empresa estrangeira, foi uma vitória de todos os que se mobilizaram. Mas desde então, o que mudou? E o que falta fazer? Por José Soeiro.

A política de desinvestimento que foi iniciada pelo anterior Governo e a preparação da Empresa para a concessão a privados, levou o Metropolitano a um nível de degradação, nunca antes sentido. Por Pedro Peres.

Críticos internacionais do CETA apontam litigância entre Portugal e Avanza na reversão da privatização do Metro de Lisboa como bom exemplo dos perigos do acordo. Governo anunciou que rejeita levar litígio para tribunal arbitral nos EUA.