Está aqui

Mariana Mortágua

Deputada. Dirigente do Bloco de Esquerda. Economista.

Artigos do Autor(a)

27 de Abril, 2010 - 15:26h

Os mercados são insensíveis e predatórios, não se compadecem com pedidos de ajuda e não toleram afrontas.

14 de Abril, 2010 - 00:00h

Para avaliar o risco de incumprimento, de incapacidade para pagar uma dívida, quer esta seja de uma empresa ou de um Estado, os mercados criaram as agências de notação (rating). São empresas privadas, pagas pelos próprios clientes que avaliam, e, portanto, parciais, susceptíveis de manipulação.

31 de Março, 2010 - 00:00h

"No longo prazo estaremos todos mortos".

A frase de Keynes faz hoje tanto ou mais sentido do que no momento em que foi dita, há décadas atrás.

18 de Março, 2010 - 00:00h

A estratégia foi definida. Para reduzir o défice vale tudo – para o prego vão as empresas estratégicas do Estado, os trabalhadores, os pensionistas e os funcionários públicos. Vale tudo menos irritar o sector financeiro e o grande capital. Será que este Governo ainda acredita que quem nos colocou na crise nos vai tirar dela?

3 de Março, 2010 - 00:00h

O governo português foge da Grécia como o diabo da cruz, numa desesperada tentativa de arrancar o P ao malfadado acrónimo - PIGS - que decidiram impor aos países do sul da Europa. Mas é errado fugir, ignorar a essência dos problemas e, sobretudo, a irresponsabilidade das soluções.

17 de Fevereiro, 2010 - 00:00h

Défice, dívida pública, agências de rating, Credit Default Sawps (CDS), abismo e morte, são as palavras da "moda". O que é que têm em comum? O facto de servirem como instrumentos de desculpabilização dos governos e de chantagem por parte dos mercados financeiros para a implementação de políticas neoliberais.

4 de Fevereiro, 2010 - 00:00h

O sistema fiscal português continua a precisar de profundas reformas que o tornem mais justo e equitativo.

25 de Fevereiro, 2009 - 00:00h

Os paraísos fiscais parecem ter-se expandido como cogumelos por todos os cantos do mundo. Nestes territórios, que apresentam habitualmente uma situação sociopolítica bastante estável, empresas de vários tipos podem instalar-se gozando de benefícios de ordem fiscal e jurídica aos mais diversos níveis. Chamamos offshores a empresas que se posicionam em países terceiros apenas para aproveitar este enquadramento favorável.

18 de Novembro, 2008 - 00:00h

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

18 de Novembro, 2008 - 00:00h

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?

Páginas