Está aqui

José Manuel Pureza

Deputado e Vice-Presidente da Assembleia da República. Dirigente do Bloco de Esquerda, professor universitário.

Artigos do Autor(a)

30 de Julho, 2011 - 02:41h

Um poder político que se tem mostrado, há tanto tempo, um zeloso cuidador dos interesses da finança não tem reserva de autoridade para não ceder de novo ao mando da banca.

23 de Julho, 2011 - 01:49h

O Conselho Europeu deixou duas mensagens claras, ambas erradas e ambas sombrias para as economias e as sociedades da Europa.

16 de Julho, 2011 - 01:45h

Um país, dois sistemas - eis o horizonte enunciado para o país por este “governo de guerra”. Um sistema para ricos, outro para pobres. Um com almofadas, outro sem.

10 de Julho, 2011 - 00:00h

Toda a indignação é legítima. Não pela frivolidade e pela leviandade interessada irresponsável das agências de rating, mas contra as opções de política de empobrecimento que lhes serve de pasto.

2 de Julho, 2011 - 00:01h

Passos Coelho pôs o país a falar do novo imposto sobre o subsídio de Natal e, com isso, conseguiu um quase silêncio sobre um programa de governo que é, no seu todo, de uma violência inaudita.

10 de Abril, 2011 - 10:20h

A máscara dos banqueiros, desde logo. Com o à vontade de quem se sabia credor da vénia e da cumplicidade do poder político, deram um golpe de estado palaciano que, ao cortar o crédito ao Estado, impõe a todos um tratamento de choque de um FMI a todo o vapor.

6 de Abril, 2011 - 15:41h

O anúncio ontem feito pelos quatro principais bancos portugueses, após reunião a meias com o governador do Banco de Portugal, é isso mesmo: um golpe de estado palaciano que pretende ditar, fora da democracia e contra ela, o destino do país no próximo futuro.

3 de Abril, 2011 - 00:47h

Ao contrário da direita e do PS, o Bloco de Esquerda não se curva diante dos promotores da precarização do trabalho e dos seus direitos.

27 de Março, 2011 - 12:00h

O Bloco vai para mais esta importante batalha política certo de que enquanto PS e PSD se revezarem no poder ou se se unirem em “grande coligação” a saga sem fim do austeritarismo será lei.

13 de Março, 2011 - 01:16h

Em nome das gerações sacrificadas. Assim apresentou o Bloco a moção de censura que marcou esta semana parlamentar. Censuramos uma política injusta e irracional que empobrece o país e o arrasta para uma espiral de recessão.

Páginas