Está aqui

Catarina Caldeira Martins

Professora universitária, dirigente do Bloco/Coimbra, deputada municipal na lista "Cidadãos por Coimbra"

Artigos do Autor(a)

30 de Dezembro, 2015 - 11:40h

O que a Marisa nos mostra é que podemos, com a esperança, reconquistar a democracia.

26 de Setembro, 2015 - 23:11h

O sítio das mulheres tem de ser o lugar dos direitos, o lugar da dignidade e – mais – o lugar da realização individual e coletiva e – ainda mais – o lugar do poder, do poder democrático e responsável.

26 de Abril, 2015 - 09:31h

O que se passou nos últimos meses no Exploratório Centro Ciência Viva de Coimbra é exemplar de um processo repleto de manobras políticas obscuras, negócios nada transparentes, manipulação de informação, e abuso de poder.

24 de Março, 2015 - 23:47h

Importa que as razões que agora movem os representantes locais de Coimbra de PS e PSD contra a privatização da água sejam as boas e óbvias razões com que enchem a boca.

14 de Março, 2015 - 10:36h

A propósito do convento de S. Francisco. É sabido por quem acompanhou o Movimento Cidadãos por Coimbra, desde o seu surgimento, já lá vão dois anos (4 de Março de 2013), que o Convento de S. Francisco tem ocupado um lugar importante nas nossas preocupações e nas nossas propostas.

30 de Janeiro, 2015 - 22:57h

Pelos vistos, aprendemos pouco com Auschwitz. Falhámos o mais concreto e o mais importante: que o nazismo se deu em solo europeu, foi construído ao longo de décadas em que o inimigo não era o Islão, mas o judeu, não somente para os alemães, mas para a generalidade da Europa.

9 de Fevereiro, 2014 - 04:06h

O debate sobre a praxe que surgiu, como uma avalanche, nos media e redes sociais nas últimas semanas apresenta poucas novidades e corre sérios riscos de deixar tudo na mesma, apesar de, pela primeira vez, ter interpelado toda a sociedade e todos os responsáveis, das associações de estudantes ao Primeiro-ministro.

22 de Janeiro, 2014 - 16:28h

É preciso um programa de extremo rigor ético e de fidelidade absoluta aos valores de Abril. Só Abril pode ser a medida da Constituição, da Democracia e do Estado social.