Está aqui

Adelino Fortunato

Professor universitário. Dirigente do Bloco de Esquerda.

Artigos do Autor(a)

28 de Maio, 2017 - 21:09h

Eis uma pergunta a que é difícil responder depois de ano e meio de governação do PS com apoio de partidos à sua esquerda. E não é por acaso.

8 de Abril, 2017 - 22:56h

Os partidos à esquerda do PS precisam de manter uma agenda política independente, cada vez mais em confronto consequente com este governo.

3 de Novembro, 2016 - 13:46h

As pensões não se substituem à política fiscal, mas não é desejável que se contradigam no combate às desigualdades e à pobreza.

8 de Setembro, 2016 - 09:50h

Precisamos de uma proposta equilibrada, que assegure a transição para um novo paradigma energético com as renováveis, mas que evite a apropriação sistemática de rendas por grupos privilegiados da população. Por Adelino Fortunato

11 de Julho, 2016 - 23:25h

A cada dia que passa a União Europeia perde apoiantes, como se viu com o Brexit, e em vez de corrigir os erros, ela revela pavor perante a legitimação popular das suas decisões.

11 de Maio, 2016 - 17:04h

A pressão deflacionista mostra as contradições da União Monetária no atual momento, porque bloqueia o crescimento e a criação de emprego, provoca recessões e crises de consequências devastadoras.

2 de Março, 2016 - 11:46h

O paradigma da privatização dos sistemas de pensões (que o PSD, o CDS e o próprio PS defenderam na última campanha eleitoral) sofreu um rude golpe na sua credibilidade e viabilidade. No entanto, isto não significa que esteja morto.

21 de Novembro, 2015 - 17:10h

Marcelo Rebelo de Sousa partiu para a campanha presidencial com uma grande vantagem. Mas ele também sabe que vivemos momentos de grande volatilidade e que a sua posição é mais frágil do que parece à primeira vista.

26 de Maio, 2015 - 16:44h

Alguns observadores encontraram grandes diferenças entre o exercício do governo e o dos 12 economistas do PS quanto às orientações de política económica para a próxima legislatura. Na realidade as diferenças existem, mas não são tão significativas como parecem à primeira vista.

11 de Abril, 2015 - 14:23h

Vários quadrantes têm procurado encontrar razões que expliquem a natureza limitada da crise do sistema político português quando comparada com o caso grego ou espanhol. Essa crise em Portugal é uma realidade, só que ela para já exprime-se de uma outra forma.

Páginas