Está aqui

Do superjuiz pró-legalização aos cogumelos mágicos

Esta edição do podcast passa em revista a atualidade canábica das últimas semanas em Portugal, Espanha, França, Escócia, Canadá e nos Estados Unidos.


Clique aqui para ouvir o podcast

Para não perder nenhum programa, subscreva o podcast via iTunes ou RSS.


O podcast Quatro e Vinte destaca nesta edição as palavras do juiz Carlos Alexandre a favor da legalização das drogas nas Conferências do Estoril, citando o ex-presidente da Assembleia da República já desaparecido, Almeida Santos.

Na atualidade europeia, passamos pela manifestação que juntou milhares de pessoas em Madrid no último domingo de maio em defesa da regulação responsável da canábis, pela descriminalização do consumo de drogas em França, com as multas prometidas pelo novo presidente Macron a entrarem em vigor a seguir ao verão, e pela abertura da primeira-ministra escocesa ao uso da canábis para fins medicinais. Olhamos também para o inquérito global sobre drogas, que elevou os cogumelos alucinogéneos à categoria de droga mais segura de todas no que toca a entradas nas urgências hospitalares.

Quanto às novidades do outro lado do Atlântico, o destaque vai para o possível atraso no início da legalização no Nevada, prevista para o início de julho. A atribuição de licenças está a ser contestada pelos distribuidores e revendedores de bebidas alcoólicas, que pretendem ter prioridade no acesso ao negócio, apesar da proibição federal. No Colorado, foi aprovado o decreto orçamental para alargar o destino das receitas da taxação da venda canábis. No próximo ano fiscal, o investimento abrange também o alojamento para sem-abrigo, projetos para tirar doentes psiquiátricos das prisões, bolsas para profissionais de saúde irem às escolas dar formação e acompanhamento aos estudantes ou um projeto piloto para intervir nas zonas mais afetadas pela epidemia do uso de opióides. No Canadá, os utilizadores de canábis para fins terapêuticos reclamam a comparticipação do Estado nesta despesa de saúde, enquanto os conservadores procuram atacar o autocultivo previsto na proposta do governo para legalizar a venda de canábis para uso recreativo no próximo ano.


 

Termos relacionados Quatro e Vinte

Adicionar novo comentário