Está aqui

Toda a gente?

"Confirma-se assim que não é a nossa gente que manda, embora seja a nossa gente que paga"
"#Confirma-se assim que não é a nossa gente que manda, embora seja a nossa gente que paga"

“Seria difícil de justificar perante toda a gente, diria eu, que o Estado poderia ter uma tal participação no sector financeiro”, afiançou Mourinho Félix perante a hipótese de nacionalização do Novo Banco. Quem é “toda a gente”? A Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o capital financeiro estrangeiro.

Confirma-se assim que não é a nossa gente que manda, embora seja a nossa gente que paga. Será que no Ministério das Finanças acham mais fácil justificar o controlo estrangeiro directo da grande maioria do sistema bancário nacional, expondo-o às predações dos John Grayken desta desgraçada vida?

Perante isto, comunistas e bloquistas, com diagnósticos e prescrições cada mais convergentes nestas decisivas matérias europeias, têm a obrigação de trazer este assunto para o parlamento nacional, escrutinando-o e tentando travar este processo, como já declararam, cada um à sua maneira, querer fazer. Nacionalizar o assunto é imperioso e só quem já não tenha ilusões europeístas pode fazê-lo.

Quanto mais gente souber, mais claros ficarão os custos da integração realmente existente neste e noutros campos. Isto até pode ir para lá da esquerda, já que mesmo em certos sectores da direita há quem perceba muito do que está em causa no Novo Banco. Não falo obviamente dos vende-pátrias, que aceitaram uma experiência de resolução feita por uma UE que usa as periferias como cobaias das suas experiências de mercado. Falo, por exemplo, de Bagão Félix:

“O resultado sabemo-lo agora. Preço de venda: zero. Garantias do FR [Fundo de Resolução]: 3,89 MM €. Custo total: incógnito… No fim, o sector público fica com uns silenciosos 25% sem direito a participar na administração. A Europa obrigou-nos a acabar com ‘golden shares’ do Estado. Pois agora, impõe que o Estado não tenha nenhum poder com ¼ do capital. Uma espécie de ‘rusty share’ [participação accionista ferrugenta]. Notável, esta Europa!”.

Notável, a União Europeia. Definitivamente, esta não é a nossa gente.

Postado por João Rodrigues em Ladrões de Bicicletas

Termos relacionados Blogosfera

Adicionar novo comentário