Está aqui

Serviços prisionais responsabilizam guardas pelo protesto dos reclusos

O diretor dos Serviços Prisionais diz que o protesto de sábado em Lisboa teve origem porque os guardas “abandonaram o serviço ilegalmente”. 200 reclusos passaram o domingo fechados nas celas.
Foto Marco Verch/Flickr

A tarde de sábado no Estabelecimento Prisional de Lisboa ficou marcada por protestos de duas centenas de reclusos da ala E, ao verem o tempo de visitas reduzido a poucos minutos devido à mudança do turno dos guardas prisionais. O presidente do Sindicato Nacional do Corpo dos Guardas Prisionais, Jorge Alves, disse ao Expresso que os reclusos partiram caixotes do lixo, deitaram a comida para o chão e vandalizaram o refeitório à hora de jantar. E chamou a atenção para a falta de efetivos no EPL, que tem levado a adiamentos na assistência médica.

A greve dos guardas prisionais que teve início há três meses contribuiu também para este protesto. Segundo a SIC, os efeitos desta greve já impediram a abertura dos refeitórios em alguns dias, com os reclusos a ficarem fechados nas celas. As limitações no acesso aos medicamentos são outra das queixas apresentadas.

Para o diretor dos Serviços Prisionais, Celso Manata, "houve um conjunto de guardas que às quatro horas da tarde abandonaram o serviço ilegalmente", o que provocou "dificuldade em manter os horários normais" nas visitas, refeições e medicação.

Prisões em Portugal: Sobrelotação e elevada taxa de mortalidade

Em causa está a alteração do horário por turnos dos guardas prisionais, com os novos turnos de oito horas a vigorarem em seis estabelecimentos prisionais. Segundo Celso Manata, o novo regime  "tem estado a funcionar bem em todo lado, menos em Lisboa". O diretor dos Serviços Prisionais explica que o desacordo dos guardas do EPL com os novos horários se explica porque "agora é mais difícil terem outras profissões" e promete processos disciplinares aos guardas prisionais que saíram do seu turno antes da hora.

O sindicalista Jorge Alves contrapõe que ”desde janeiro, altura em que a Direção Geral de Serviços Prisionais impôs novos turnos, que nunca deveriam ter sido aprovados, que os guardas se recusam a fazer horas extraordinárias. Se são extraordinárias não podem aparecer nas escalas com 15 dias de antecedência como acontece. E depois faltam guardas e, consequentemente sai prejudicada a segurança nas cadeias”, afirmou ao Expresso o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional.

Este domingo, os 200 reclusos da ala E estarão fechados nas cela durante todo o dia, sem sair para comer as refeições.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)