Está aqui

Mossul, ofensiva militar sem plano político

Este tipo de abordagem meramente militar costuma sair caro: militares no terreno para derrotar um inimigo mas sem qualquer plano político para o futuro da área disputada, e que aconchegue os vários interesses em jogo, degenera frequentemente em novos conflitos. Por José Manuel Rosendo, meu Mundo minha Aldeia.

Dá sempre mau resultado. O Governo iraquiano, apoiado por milícias xiitas, conselheiros da coligação internacional e também do Irão, está a combater o Estado Islâmico em Mossul, mas não tem um plano para depois da vitória anunciada. Na verdade, existe um plano do Governo de Bagdad, mas não é um plano que garanta um futuro de paz. O Governo xiita do Iraque olha para a Mossul sunita da mesma forma que olha para a Bassorá xiita ou para zonas em que mantém autoridade, vendo apenas território (e recursos) que considera seu. E é precisamente isso que os sunitas de Mossul não querem: não querem ser governados por xiitas ou, no mínimo, mesmo sob a alçada de um Governo xiita em Bagdad, querem ter a sua própria gente a governar uma cidade de que se consideram legítimos donos e herdeiros.

Este tipo de abordagem meramente militar costuma sair caro: militares no terreno para derrotar um inimigo mas sem qualquer plano político para o futuro da área disputada, e que aconchegue os vários interesses em jogo, degenera frequentemente em novos conflitos.

A derrota militar do Estado Islâmico em Mossul é apenas uma questão de tempo, mas não se sabe quanto tempo. Vai demorar até chegar o dia em que a bandeira do Iraque possa ser içada em todas as ruas da cidade.  Quantas vidas vai custar é outra pergunta para a qual não há resposta.

Os muitos milhares de homens bem equipados ao serviço do Governo iraquiano ajudados por milícias e ataques aéreos da coligação internacional trancaram os combatentes do Estado Islâmico na cidade. Ao que se sabe não há rota de fuga porque a ligação à fronteira síria foi cortada. Não se sabe ao certo quantos homens tem o Estado Islâmico e quais os recursos de que ainda dispõe após meses de combate e a quase ausência de reabastecimento. 

Peritos militares norte-americanos citados nos órgãos de comunicação social admitem que o Estado Islâmico não disponha de uma força superior a dois mil homens. Em termos estratégicos, os especialistas dizem que vamos assistir a um recuo dos combatentes do Estado Islâmico para as zonas mais habitadas da cidade e aí sim, vai ser lutar até ao fim. Até à morte. Ruas e vielas da zona ocidental de Mossul, com mais de meio milhão de habitantes ameaçam tornar-se num inferno. Até agora as declarações dos responsáveis militares iraquianos vão no sentido de evitar os bombardeamentos com artilharia pesada para poupar a vida dos habitantes.

A fuga dos habitantes de Mossul prevista pela ONU quando a ofensiva começou a 17 de Outubro de 2016, não teve a dimensão esperada. Desta vez não se sabe como vai ser. Muitos dos que então não fugiram de Mossul terão atravessado o Rio Tigre em direcção à margem ocidental onde está o último reduto do Estado Islâmico.

O Governo do Iraque e o Governo Regional do Curdistão não divulgam as baixas militares. A única coisa que se sabe é que o Governo Regional do Curdistão admitiu que desde o início da ofensiva militar os hospitais de Erbil acolheram 14 mil feridos (civis e militares).

Um sinal do que pode acontecer num futuro próximo é dado por Atheel al Nujaifi, antigo Governador do Nínive, e de Mossul, um militar sunita que criou a sua própria milícia e que vive em Erbil (capital do Curdistão iraquiano) desde que o governo de Bagdad emitiu um mandado de captura contra ele. Atheel Al Nujaifi fugiu da cidade aquando do avanço do Estado Islâmico e acusa Bagdad de não lhe ter dado o apoio que pediu nessa altura. Al Nujaifi considera que Mossul deve ser governada por sunitas da própria cidade e não por gente enviada de Bagdad. Justifica dizendo que é a única forma de resistir ideologicamente, e não apenas pela força militar, ao Estado Islâmico. Isto é: se a cidade for governada por xiitas, a população terá tendência a apoiar os extremistas e nova insurgência pode emergir.

Os Estados Unidos já disseram que pensam ficar após a conquista de Mossul, mas nesse caso terão de esperar por um convite do Governo iraquiano. Se assim for, a vontade do Irão também conta. Dos cerca de 9 mil homens da coligação internacional de 60 países, mais de metade são norte-americanos. Os Estados Unidos saíram do Iraque, mas voltaram em força. Só que neste momento as coisas mudaram e a prova disso foi a forma como o novo secretário norte-americano da defesa, Jim Mattis, se apresentou na primeira visita a Bagdad, dizendo que os Estados Unidos não estão no Iraque por causa do petróleo nem para o monopolizar. Para além disso há o decreto de Donald Trump a impedir a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, entre eles o Iraque. A ver vamos como responde Bagdad a esta intenção norte-americana.

21 de Fevereiro de 2017

Por José Manuel Rosendo, meu Mundo minha Aldeia.

Termos relacionados Blogosfera

Adicionar novo comentário