Está aqui

Lacerda não engana, honra lhe seja feita

O problema para Francisco Lacerda e para os acionistas dos CTT é que o serviço da empresa faz-nos falta. Publicada por José Manuel Rosendo em meu Mundo minha Aldeia

Já estava nos CTT antes da privatização e continuou depois da venda da empresa aos privados. Justiça lhe seja feita, Francisco Lacerda, actual Vice-Presidente do Conselho de Administração & CEO (Presidente Executivo) da empresa, não engana: está nos CTT para ganhar dinheiro e distribuí-lo pelos bolsos dos accionistas. É crime? Não! É legal? É! O problema para Francisco Lacerda e para os acionistas dos CTT é que o serviço da empresa faz-nos falta.

Em Junho de 2013, Francisco Lacerda disse em entrevista à Lusa: "o processo está a acabar, fizemos uma reorganização da rede e vamos fechar 124 estações de correio e abrir 78 postos". Na altura Francisco de Lacerda era Presidente do Conselho de Administração dos CTT.

Entre este fechar de estações e abrir (menos) postos de atendimento houve uma transformação substancial: as estações pertenciam aos CTT, enquanto os postos são actividade de correios ligados a parceiros, nomeadamente Juntas de Freguesia e algum comércio local.

Há pouco mais de duas semanas ficámos a saber que os CTT vão encerrar mais 22 lojas em todo o país e, até 2020, querem ter menos 1.000 trabalhadores.

Em 2016, os CTT destinaram 72 milhões de euros para a distribuição de dividendos, acima do lucro de 62 milhões de euros gerado nesse ano pela empresa.

Francisco Lacerda assumiu, ao mesmo tempo que anunciava o encerramento de Estações, que a empresa tem de distribuir mais rendimentos pelos accionistas. Para isso é preciso cortar nos custos: menos Estações e menos trabalhadores. Chamam-lhe ajustar o modelo de negócio ao mercado. Se alguém ainda não percebe a diferença entre o serviço público e o mesmo serviço prestado por um privado, basta pensar neste exemplo. O Privado quer distribuir lucros pelos accionistas deixando de lado a qualidade do serviço que presta; o Público deve preocupar-se principalmente com o serviço que presta e não existe para dar lucro. É óbvio que, se for bem gerido, tem mais qualidade e sai mais barato.

Desde Setembro de 2014 que os CTT são uma empresa 100% nas mãos dos privados. Desde esse dia que perdemos o direito de exigir seja o que for através dos mecanismos que a democracia coloca à nossa disposição para exercermos a nossa cidadania. A solução que nos resta é elegermos representantes que façam regressar os CTT à esfera pública. E convém que seja feito enquanto houver CTT. Até lá, os mesmos que concordaram com a privatização dos CTT podem agora chorar lágrimas de crocodilo e autoflagelar-se por causa do serviço miserável da empresa, mas isso nada resolve - não sei mesmo se não será hipocrisia, porque era absolutamente expectável o que está a acontecer.

Por fim, há sempre quem apareça a dizer que não tem uma posição dogmática sobre as privatizações, justificando esta posição com as boas e/ou más administrações quer no sector público, quer no privado. Pois, Pilatos também lavou as mãos…

Pinhal Novo, 5 de Janeiro de 2018

Publicada por José Manuel Rosendo em meu Mundo minha Aldeia

Termos relacionados Blogosfera

Comentários

Seria interessante saber e divulgar por quanto foi vendido o Palácio da Sede na rua S. José, em Lisboa, e o valor dos dividendos pagos ao maior acionista dos CTT, Sr. Manuel Champalimaud.

Adicionar novo comentário