Está aqui

Iniciativa cidadã para banir glifosato na UE arranca dia 25

A Comissão Europeia anunciou ter aceite a inscrição da Iniciativa de Cidadania Europeia para banir herbicidas com glifosato. Dia 25 de janeiro começa a recolha de um milhão de assinaturas.
Registo da iniciativa de cidadania para banir glifosato foi aceite e arranca dia 25 de janeiro.

O registo formal da Iniciativa de Cidadania Europeia (ICE) para banir os herbicidas com glifosato será feito ni dia 25 de janeiro. A partir dessa data, os promotores têm um ano para recolher pelo menos um milhão de assinaturas em pelo menos sete estados membros da União Europeia. Se atingirem esse objetivo, a Comissão Europeia terá três meses para se pronunciar se aceita ou não a proposta, justificando a sua decisão em qualquer dos casos.

Esta ICE tem como primeiros promotores várias associações ambientalistas, como a Greenpeace
ou a Pesticide Action Network e apresenta-se com três objetivos: banir os herbicidas com glifosato, uma das substâncias mais usadas e cujos efeitos negativos para o ecossistema e a saúde humana estão documentados; assegurar que a avaliação de pesticidas para aprovação pelos reguladores europeus se baseiam apenas em estudos publicados e encomendados por autoridades públicas e não pela indústria dos pesticidas; e estabelecer metas vinculativas de redução do uso de pesticidas na UE.

Para além da recolha de assinaturas à escala europeia, que arranca dia 25 e pode ser feita online, os promotores pretendem ainda organizar dias de ação comuns para dar a conhecer a iniciativa e sensibilizar a população para o risco do uso do glifosato.

Em setembro passado, a Comissão Europeia aprovou a utilização do glifosato até ao fim de 2017, na sequência de um processo que não obteve o consenso necessário dos países membros para prolongar a licença de utilização. Em Portugal, o Bloco de Esquerda propôs no parlamento em maio a proibição do uso de glifosato em meio urbano, mas a proposta foi chumbada com os votos da direita e PCP.

Três meses depois, o governo anunciou a intenção de aprovar um Decreto-Lei a estabelecer que o glifosato será proibido nos "jardins infantis, jardins e parques urbanos de proximidade e nos parques de campismo", mas também "nos hospitais e noutros locais de prestação de cuidados de saúde ou lares e residências para idosos".

Termos relacionados Ambiente

Comentários

Este decreto lei vai ou não avançar!!!
Engloba também às zonas de pastorícia onde as juntas de Freguesias aplicam herbicidas ?
Obrigada

Adicionar novo comentário