Está aqui

França: Onde responsavelmente traçar a linha

É vital separar dois conjuntos de debates ocorridos nas últimas duas semanas relativamente às eleições francesas. Por Kevin Ovenden.
Jean-Luc Mélenchon, candidato da França Insubmissa. EPA/CHRISTOPHE PETIT TESSON.

O primeiro não foi um debate. Foi uma ofensiva total por parte de todas as forças institucionais, visando diminuir a esquerda, caluniar os seus líderes - de Mélenchon a Poutou - como sendo "indiferentes à ascensão da FN", e quebrar o avanço feito pela esquerda com a sua conquista de 7.7 milhões de votos na primeira volta.

Nessa ofensiva, as forças institucionais operaram de forma articulada com a Frente Nacional - Macron debateu com Le Pen, ao contrário de Chirac que se recusou a debater com o seu pai. Tanto Macron como Le Pen procuraram saquear a esquerda e destruí-la como uma força independente.

Esse é um aspecto - a grande característica política nacional - do que aconteceu na França nos últimos 15 dias. Um esforço falhado.
O segundo debate foi muito diferente. Foi um debate e uma divergência de opinião, entre as pessoas da esquerda, sobre a melhor forma de responder à segunda volta. Esse debate foi enquadrado por duas posições compartilhadas, entre outras: total oposição à FN, e uma compreensão de que a vitória de Macron não seria uma solução, mas sim uma antecâmara para Le Pen e o fascismo se ele for capaz de fazer o que quer.

As diferentes tácticas foram escolhidas de acordo com as diferentes análises e estimativas apresentadas. Todas podem ser avaliadas à luz do resultado da noite de Domingo. Mas todas estão subordinadas à urgente necessidade de reafirmar o que é comum a toda a esquerda e a muitos milhões de jovens radicalizados, operários e oprimidos em França. Isso é:

1) a afirmação de uma luta contra o governo Macron. As forças do "establishment" tentarão continuar a Frente Republicana da eleição, por mais raquítica frágil que tenha demonstrado ser, agora para deslegitimar a oposição da esquerda e da classe trabalhadora a Macron. Toda a esquerda, independentemente da avaliação tática da semana passada, se opõe a essa tentativa. Precisamos de unidade na ação contra ela.

2) a criação de uma frente contra a FN. Ela fez avanços (incluindo no seio da classe trabalhadora em números absolutos) embora as suas hostes estejam decepcionadas por não terem conseguido o que esperavam. De novo, existe total acordo à esquerda sobre a necessidade de extirpar a influência da FN entre a classe trabalhadora. É essencial a unidade para transformar esse acordo em acção.

3) a maior unidade possível no combate das eleições para a Assembleia Nacional. Tal não pode no entanto fugir à necessidade de romper com as velhas negociações com a social-democracia, que está em agonia - o PS conquistou apenas 6,5 por cento. Unidade, mas visando o avanço eleitoral de uma esquerda muito melhor e mais combativa.

4) a agitação e preparação para batalhas no extenso campo social que Macron está prestes a atacar. Esse campo vai das pensões aos direitos do trabalho. De reforma da segurança social ao estilo Blair-Cameron a sentenças e policiamento mais draconianos.
No decorrer de tudo isso, é possível avaliar num espírito de unidade as políticas subjacentes às diferentes leituras das duas últimas semanas, dos últimos dois meses, e mais ainda. Obter clareza sobre as políticas nessas questões faz diferença. Mas o caminho para que tal clareza seja demonstrada em primeira instância é nas batalhas agora.

Isso significa unir as forças combatentes da esquerda. E há um alto grau de unidade sobre o essencial.

O texto original foi publicado em: https://www.facebook.com/kevin.ovenden/posts/10158551638705468
Tradução de Sadiq Habib.

Termos relacionados Comunidade

Adicionar novo comentário