Está aqui

EUA: Cresceu o acesso às notícias a partir das redes sociais

Twitter, YouTube e Snapchat cresceram em quantidade de utilizadores que acedem a notícias, impulsionados pelos investimentos feitos ao longo do último ano para aperfeiçoar a sua usabilidade. Por Elisa Shearer e Jeffrey Gottfried, Pew Research Center.

Desde agosto de 2017, dois terços (67%) dos americanos afirmam ter acesso a parte das notícias através das redes sociais – com dois em cada dez a afirmar ser frequentemente este o seu meio de acesso às informações, de acordo com uma nova investigação do Pew Research Center. É um aumento modesto desde o início de 2016, quando (no auge das primárias presidenciais americanas) 62% dos adultos dos EUA relatavam receber notícias nos media sociais. Embora o aumento global seja pequeno, o crescimento é impulsionado por aumentos mais substanciais entre os americanos mais velhos, com menor escolaridade e não brancos. O estudo é baseado numa sondagem realizada entre 8 e 21 de agosto de 2017, com 4.971 adultos dos EUA, membros do American Trends Panel, painel de representatividade nacional criado pelo Pew Research Center.

Pela primeira vez nas investigações do Pew Research Center, mais de metade (55%) dos americanos com 50 anos ou mais relatam aceder notícias nas redes sociais. São 10 pontos percentuais acima dos 45% de 2016. Os americanos com menos de 50 anos continuam mais propensos a aceder a notícias através dos media sociais (78%, sem alteração em relação a 2016).

Além disso, cerca de três quartos dos americanos não brancos (74%) informam-se através das redes sociais, contra 64% em 2016. (O grupo de americanos não brancos inclui todos os grupos raciais e étnicos exceto os brancos não hispânicos). Esse crescimento significa que os não brancos estão hoje mais propensos do que os brancos a aceder a notícias nos media sociais. E o acesso a notícias via medias sociais também aumentou entre aqueles que não possuem uma graduação completa, de 60% em 2016 para 69% em 2017. Por outro lado, entre aqueles com pelo menos um diploma universitário, o acesso a notícias via redes sociais diminuiu suavemente.

Twitter, YouTube e Snapchat cresceram em quantidade de utilizadores que acedem a notícias

Devido aos tamanhos de audiência muito diferentes nas principais redes sociais, há duas maneiras diferentes de pensar a forma de medir a mudança no acesso a notícias nessas plataformas. Uma delas é comparar a parcela de utilizadores de cada site que acede a notícias no site, enquanto a segunda é medir a percentagem total de americanos que diz ver notícias no site.

Vamos olhar primeiro para a parcela de utilizadores de cada site que os utiliza para acessar notícias. Três dos sites avaliados – Twitter, YouTube e Snapchat – tiveram um aumento na parte de utilizadores que acede a notícias no site. Desde 2013, pelo menos metade dos utilizadores do Twitter relata aceder a notícias pelo site, mas em 2017, com um presidente que frequentemente usa a plataforma para fazer anúncios, essa parcela aumentou para cerca de três quartos (74%), 15 pontos percentuais acima do ano passado. Cerca de um terço dos utilizadores agora acedem a notícias no YouTube (32%), contra 21% em 2016. O acesso a notícias entre os utilizadores do Snapchat aumentou 12 pontos percentuais, chegando a 29% em agosto de 2017, contra 17% no início de 2016.

O crescimento desses três sites acompanhou os investimentos feitos pelas empresas ao longo do último ano para aperfeiçoar a sua usabilidade como sites de notícias. O Twitter, além de receber atenção quase diária pelas publicações do presidente Trump, passou o ano a promover o potencial da plataforma para editores de notícias e anunciou lançamentos de diversas parcerias para streaming de notícias. O YouTube lançou e expandiu o YouTube TV, e criou um sumário de "últimas notícias" na sua página inicial. O site também continua a ser utilizado para levar informações a comunidades pequenas e dispersas. O Snapchat conquistou grandes grupos de media este ano com o seu “Descubra”: a CNN, a NBC e o New York Times já aderiram, e a plataforma planeia conquistar outros meios de comunicação.

Em cinco das seis redes sociais restantes – Facebook, Reddit, Instagram, LinkedIn e Tumblr – os utilizadores mostraram-se tão propensos a aceder a notícias quanto no ano anterior. No que respeita ao WhatsApp, sondado pela primeira vez este ano, quase um quarto dos seus utilizadores, 23%, acedem a notícias pelo aplicativo.

Facebook ultrapassa todas as redes sociais como fonte de notícias; YouTube está em segundo lugar

Olhando para a população como um todo, o Facebook, de longe, ainda lidera todos os outros sites de redes sociais como fonte de notícias. Isto deve-se, em grande parte, devido à grande base de utilizadores do Facebook, em comparação com outras plataformas, e ao facto de a maioria dos seus utilizadores receber notícias no site. Especificamente, cerca de dois terços dos americanos (66%) usam o Facebook e a maioria desses utilizadores recebe notícias no site, semelhante a 2016. Observado como parte de todos os adultos dos EUA, isso traduz-se em pouco menos de metade (45% ) de americanos a receber notícias no Facebook.

Embora o YouTube tenha uma grande base de utilizadores - 58% da população - uma porção menor recebe notícias lá. Em 2017, tanto a base de utilizadores que acedem a notícias como os que as partilham no YouTube cresceu. O resultado: 18% de todos os americanos agora recebem notícias no YouTube, tornando-se o segundo site de media social mais comum para notícias - embora ainda muito atrás do Facebook.

O Twitter tem a estrutura inversa do YouTube: enquanto uma grande parcela dos seus utilizadores recebe notícias no site (74% dizem que sim), o seu público é significativamente menor em geral. Isso significa que, em geral, poucos americanos recebem notícias no Twitter (11% dos adultos dos EUA).

Mais americanos agora recebem notícias em vários sites de redes sociais

Não somente os americanos cresceram na utilização dos media sociais para as notícias em geral, mas agora são mais propensos que nunca a receber notícias de vários sites de redes sociais. Cerca de um quarto de todos os adultos dos EUA (26%) recebem novidades de dois ou mais desses sites, acima de 18% em 2016 e 15% em 2013. Os leitores de notícias do Instagram, Snapchat e WhatsApp são particularmente propensos a receber notícias de múltiplos assuntos nas redes sociais; pelo menos 90% dos leitores de notícias recebem notícias em pelo menos dois sites de redes sociais.

Há também algumas diferenças interessantes em que as sobreposições ocorrem - em outras palavras, quais sites tendem a compartilhar utilizadores. Os leitores de notícias do Instagram, por exemplo, são muito mais propensos a receber notícias no Snapchat (40% do total) do que os leitores de notícias do LinkedIn (por exemplo, 8% dos leitores de notícias do LinkedIn também recebem novidades no Snapchat). Mas o Facebook, com uma base de utilizadores tão grande, sobrepõe-se a quase todos os outros sites de media social: cerca de metade ou mais de leitores de notícias (pelo menos 48%) de cada um dos outros sites estudados também recebem notícias no Facebook.

Demografia de consumidores de social media

Existem algumas diferenças importantes na composição demográfica dos leitores de notícias de cada site.

Os consumidores de notícias Instagram e Snapchat são consideravelmente mais propensos a ser não-brancos e mais jovens. Twitter e LinkedIn têm a maior participação de graduados da faculdade entre os seus leitores de notícias - 59% dos leitores de notícias do LinkedIn têm títulos de faculdade, assim como 45% dos leitores de notícias do Twitter. As bases de leitores de notícias dos dois maiores sites - Facebook e YouTube - incluem mais americanos mais velhos do que os de sites menores, como Instagram e Snapchat.

O Napchat foi, de longe, o grupo mais novo de leitores de notícias - 82% são entre 18 e 29 anos. Enquanto o Facebook e o YouTube ainda são os mais populares entre esta faixa etária para as notícias em geral, a composição do público de notícias do aplicativo significa que cerca de um em cada cinco (21%) de 18 a 29 anos de idade agora recebem novidades no Snapchat.

Muitos consumidores de notícias de media social ainda recebem notícias de plataformas mais tradicionais. Receber notícias em medias sociais não significa que outros caminhos mais tradicionais para as notícias sejam ignorados. Muitos leitores de notícias de redes sociais também recebem novidades de uma variedade de outras plataformas, embora existam algumas diferenças entre os utilizadores dos vários sites.

Os leitores de notícias do Twitter, por exemplo, provavelmente também receberão notícias através de sites e aplicativos de notícias do que leitores de notícias do Facebook ou YouTube. Os leitores de notícias do Facebook provavelmente receberão notícias da TV local do que as de YouTube, Twitter e Snapchat.


Artigo originalmente publicado em http://www.journalism.org/2017/09/07/news-use-across-social-media-platforms-2017/ e traduzido e republicado pela Carta Maior.

Termos relacionados Internacional

Adicionar novo comentário