Está aqui

Encontrada nuvem de crude no fundo do Golfo do México

Nova pesquisa confirma a existência de uma enorme nuvem de dispersão de crude no fundo do Golfo do México, sugerindo que este não dispersou rapidamente e que existe uma ameaça séria para a vida selvagem da região nos próximos meses ou mesmo anos.
O derrame de petróleo causado pela BP, no Golfo do México, foi já considerado o maior desastre ambiental dos EUA. Ave coberta de petróleo, Waveland, Mississippi, Julho 2010 - Foto de Bevil Knapp/Epa/Lusa

Os oceanógrafos encontraram nas profundezas do Golfo do México uma enorme nuvem de hidrocarbonetos provenientes dos poços explorados pela BP, confirmando a existência de crude até agora imperceptível.

“Em Junho, detectámos uma nuvem que se deslocava muito lentamente (0,27 quilómetros por hora), a sudoeste do local onde estava a plataforma que explodiu”, afirmou Richard Camilli, chefe da expedição científica e um dos responsáveis da Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI), o maior instituto mundial privado de estudos oceanográficos, sem fins lucrativos.

Camilli é o principal autor deste estudo, publicado na revista norte-americana Science, esta sexta-feira, voltando a instalar a polémica sobre se haverá ou não petróleo da maré negra no fundo do mar.

“Não demonstrámos apenas que existe mesmo uma nuvem de petróleo no Golfo do México, como também determinámos a sua origem e a sua composição. Até agora, esta nuvem era considerada teórica”, disse, explicando que ela não é formada por “petróleo puro” mas contém vários componentes de petróleo.
As análises cromatográficas das amostras confirmam a presença de benzeno, tolueno (solvente), etilbenzeno e de xileno.

Os cientistas conseguiram apurar que o crude provém efectivamente da maré negra provocada pela explosão da plataforma Deep Horizon, da petrolífera britânica BP, a 20 Abril, e não de um escoamento natural.

A fuga de crude, a 1500 metros de profundidade, foi travada em meados de Julho, depois de cerca de 4,9 milhões de barris terem sido derramados para o oceano, mas a maior parte do petróleo bruto continua por descobrir.

Esta nuvem estende-se por pelo menos 35 quilómetros e mais de 900 metros de profundidade, tendo 1,9 quilómetros de largura e quase 200 metros de altura, estimaram os investigadores desta expedição do WHOI, feita de 19 a 28 de Junho a bordo de um navio especialmente equipado.

Os investigadores observaram que a biodegradação do crude está a ocorrer devido aos micróbios que vivem no fundo do mar, mas que este processo está a ser relativamente lento. Considerando a extensão da massa desta nuvem submarina de hidrocarbonetos e resíduos, ela pode “subsistir no oceano mais tempo” do que se pensava, referem os autores.
 

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Notícias ambiente

Adicionar novo comentário