Está aqui

Dra. Serrano, que nunca lhe caiam em cima...

A Dra. Estrela Serrano cometeu o erro (frequente) que mais escolhos coloca no caminho dos jornalistas: deduziu! Sem saber, deduziu! Sem conhecer, deduziu! Sem confirmar ou perguntar, deduziu! Artigo de josé manuel rosendo, publicado no blogue meu Mundo minha Aldeia
A Dra. Estrela Serrano cometeu o erro (frequente) que mais escolhos coloca no caminho dos jornalistas: deduziu!
A Dra. Estrela Serrano cometeu o erro (frequente) que mais escolhos coloca no caminho dos jornalistas: deduziu!

Os jornalistas têm sempre razão? Não! Aliás, os tempos dizem-nos muitas vezes o contrário. Detesto o corporativismo. Ser membro do Conselho de Opinião da RTP implica ter sempre opiniões favoráveis ao que é feito pelos jornalistas da RTP? Era o que faltava! Ser jornalista ou professor de jornalismo obriga/implica defender sempre a actuação dos jornalistas? Evidentemente que não! Mas ser jornalista ou professor de jornalismo acarreta a obrigação de saber do que se fala, principalmente quando se fala de jornalismo. A cátedra responsabiliza.

A propósito da agressão a dois jornalistas da RTP numa escola em Lisboa, a opinião da Dra. Estrela Serrano seria apenas mais uma opinião, como tantas outras, principalmente em tempo de redes sociais. O problema é Estrela Serrano ser quem é e ter a obrigação de saber do que fala. Mais grave, assume que não sabe do que fala (mas escreve): “A RTP não adiantou quais os motivos da agressão nem explicou qual era o objectivo da reportagem. Tratando-se de duas crianças uma das quais alegadamente vítima de “agressão sexual” certamente a RTP não estaria à espera de filmar as crianças envolvidas ou os seus familiares. Pelo que não se ficou a saber que tipo de reportagem a RTP esperava fazer”. Está escrito em https://vaievem.wordpress.com/2017/03/30/o-que-foi-o-reporter-la-fazer/.

A Dra. Estrela Serrano cometeu o erro (frequente) que mais escolhos coloca no caminho dos jornalistas: deduziu! Sem saber, deduziu! Sem conhecer, deduziu! Sem confirmar ou perguntar, deduziu! Ai, ai, Dra. Serrano, o que dirão os seus alunos destas deduções assim tão apressadas a cruxificar a RTP.

Vamos por partes:

1 - A redacção da RTP recebe uma denúncia sobre uma alegada agressão sexual que envolve duas crianças e decide enviar uma equipa para o local. A Dra. Estrela Serrano sugere que a RTP não pretenderia filmar as crianças ou as famílias. Daí conclui que a RTP não foi fazer nada ao local onde alegadamente se teria verificado a agressão. Isto é, na perspectiva da Dra. Serrano, não podendo (por dever ético e imposição legal) haver imagens de crianças alegadamente agredidas nem das famílias, não há reportagem. Cara Dra. Estrela Serrano, o mais inexperiente dos jornalistas sabe (embora alguns, por vezes, esqueçam…) que deve proteger as crianças e as vítimas de agressões sexuais. Não é isso que está em causa. O que está em causa é uma denúncia de agressão sexual, que envolve crianças, numa escola. Não poderá ser notícia? Pode! Pode, mas teremos de ir ver se é.

2 - A RTP fez o que devia fazer e é simples: levantou o rabo da cadeira e foi ver o que se passava. Apenas isso. Deduzir que pretendia (ou não) filmar crianças, familiares das crianças, ou outra coisa qualquer, é pura especulação.

3 – Como a Dra. Estrela Serrano deve saber, não é raro um jornalista sair para reportagem com uma expectativa do trabalho a fazer e, chegado ao local, alterar o ângulo da abordagem porque a realidade assim o determina.

4 – Não sei qual a expectativa que os jornalistas da RTP levavam para a escola onde foram agredidos, mas sei, porque as imagens mostram, que havia pancadaria dentro de uma escola. E, a escola, é o último dos lugares onde deve haver violência. E a RTP mostrou. E fez bem. Assim as autoridades façam agora o seu trabalho e a justiça não permita que os responsáveis fiquem impunes.

É confrangedor ver estes jornalistas da RTP serem criticados precisamente por fazerem o que deveria ser enaltecido: levantar o rabo da cadeira para ir ver/recolher/confirmar/aprofundar informação. Pensava que era isso que a Dra. Estrela Serrano gostava de ensinar aos alunos de jornalismo. O que se publica ou não, depois de avaliada a informação recolhida, essa é outra história.

Resta saber (posso eu agora deduzir?, ou apenas especular...?) se a crítica da Dra. Estrela Serrano tinha outro alvo/objectivo. Não sabemos, mas lá que parece, parece. Não, não tenho procuração de ninguém e em regra não as aceito, mas se o alvo era outro o tiro saiu pela culatra. Estas situações, normalmente, acabam por unir soldados e generais.

Que não venha agora a Dra. Estrela Serrano colocar-se no papel de vítima porque se assim for teremos de perguntar se não seria de esperar estar a ser zurzida depois de dizer o que disse (tal como a equipa da RTP que criticou... “como seria de esperar, acabou agredida”).

Por fim, e contrariando o raciocínio da Dra. Estrela Serrano - “Daí que não se tenha percebido o que levou a RTP a deslocar-se com uma câmara à escola onde uma criança de 12 anos agrediu alegadamente outra de nove e filmar agredidos e agressores. Como seria de esperar, acabou agredida” – a única coisa que lhe posso dizer, no que me toca enquanto jornalista, mesmo depois de tudo o que disse destes jornalistas, pode entrar descansada na RTP porque ninguém lhe faz mal. É isso que pode esperar.

Quanto ao Conselho de Opinião, não tem condições para continuar: demita-se!

Pinhal Novo, 31 de Março de 2017

Artigo de josé manuel rosendo, publicado no blogue meu Mundo minha Aldeia

Termos relacionados Blogosfera

Adicionar novo comentário