Está aqui

Catarina recorda à CIP que economia recuperou desde que salários e pensões aumentaram

A coordenadora bloquista respondeu, esta segunda-feira, a António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), que a “economia em Portugal está a recuperar desde que começámos um processo de recuperação de salários e pensões”.
Catarina Martins visitou esta segunda-feira a Associação Solidariedade Imigrante, em Lisboa, na qual foi acompanhada pelos deputados Isabel Pires e José Manuel Pureza e pelo vereador Ricardo Robles. Fotografia de Tiago Petinga/Lusa.

“A economia em Portugal está a recuperar, e isso é bom para toda a gente, desde logo as empresas veem a recuperação nos seus resultados, desde que começámos um processo de recuperação de salários e pensões”.

Foi desta forma que Catarina Martins começou por responder ao patrão dos patrões que, em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, se queixou de o Orçamento do Estado para 2018 criar “expetativas às famílias, mas deceção às empresas”.

“Nenhuma economia cresce num sítio em que quem vive do seu trabalho não tem direitos”, prosseguiu a dirigente bloquista, antes de sublinhar que é preciso também “reconstituir direitos e salários do privado”, setor também “muito atacado no tempo da troika”.

E rematou: “com a mesma força que lutamos pelos direitos dos trabalhadores do Estado, também lutamos pelas alterações que permitem reconstituir direitos e salários no setor privado".

Questionada pelos jornalistas sobre a subida do Salário Mínimo, a deputada bloquista referiu que "o Bloco de Esquerda considerou logo em 2015 que o Salário Mínimo Nacional devia ser de 600 euros o quanto antes”, lembrando todavia que o acordado com o PS, aquando da formalização do executivo socialista, foi um aumento de pelo menos 5% ao ano, o que levará a que a remuneração mínima chegue aos 580 euros em 2018 e aos 600 euros em 2019, último ano da legislatura.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política

Adicionar novo comentário