Está aqui

Bloco vai insistir na criação de salas de injeção no Porto

A bancada municipal bloquista diz que Rui Moreira deixou na gaveta o estudo encomendado à Universidade do Porto, com respostas favoráveis à criação das "salas de chuto" na cidade.
Sala de injeção assistida em Vancouver, Canadá. Imagem ihavehopevideos/Youtube

"O estudo esteve guardado, nomeadamente durante o período de eleições. Estava concluído pelo menos desde junho. Importa agora haver uma resposta política para o problema, ainda que seja muito incomodativo para os setores do CDS bem representados no executivo e para o presidente da câmara, Rui Moreira", disse hoje à Lusa Susana Constante Pereira, deputada municipal do Bloco no Porto.

O estudo em causa foi encomendado "como contraproposta do PS e do grupo de Rui Moreira" para o chumbo da proposta do Bloco de um projeto experimental de sala de consumo assistido em 2016, lembrou a deputada municipal. Foi elaborado pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e inquiriu mais de mil pessoas, metade das quais utilizadores de drogas. Entre este grupo, 9 em cada dez inquiridos afirmaram que "utilizariam essa sala" e "72% propunham que [a sala de chuto] se localizasse num local próximo dos bairros de venda e consumo”, indica a agência Lusa.

Entre o grupo geral inquirido via telefone, "cerca de 70% concordaram com a implementação de uma sala de consumo assistido no Porto”. Destes, "42% aceitariam que se localizasse junto da sua zona de residência”, acrescenta o estudo.

"Este estudo serviu para empurrar o problema com a barriga. Mostra que a criação de salas de consumo assistido já era inadiável há dois anos, quando o Bloco apresentou a moção. Na altura, não houve coragem política, concretamente na pessoa de Manuel Pizarro [PS]", afirmou Susana Constante Pereira, recordando que antes do estudo, quando o Bloco quis discutir a sua proposta em 2015, já tinha sido organizado um debate com especialistas indicados pelos partidos, que “foram unânimes na necessidade de criar as salas de chuto”.

Ler também: Bloco quer salas para consumo assistido de droga no Porto

A cidade "não pode continuar refém destes incómodos", conclui a deputada, com a promessa de que o assunto irá regressar ao debate na Assembleia Municipal na primeira sessão do ano.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política

Adicionar novo comentário