Está aqui

Bloco de Esquerda exige explicações urgentes sobre nomeação de Franquelim Alves

O Bloco de Esquerda está "escandalizado" com a nomeação do ex-administrador da SLN/BPN e requereu, com caráter de urgência, a presença do ministro Álvaro Santos Pereira na Comissão de Economia e Obras Públicas para prestar esclarecimentos.
O Bloco de Esquerda está "escandalizado" com a nomeação do ex-administrador da SLN/BPN e requereu, com caráter de urgência, a presença do ministro Álvaro Santos Pereira na Comissão de Economia e Obras Públicas para prestar esclarecimentos.

O Bloco de Esquerda "está escandalizado, tal como todo o país, com a nomeação de Franquelim Alves, ex-administrador do Grupo SLN, para o lugar de Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação”, lê-se no requerimento entregue hoje ao Presidente da Comissão de Economia e Obras Públicas.

Para o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda “é essencial que o Ministro da Economia e do Emprego preste esclarecimentos ao Parlamento e ao País sobre a escolha efetuada”.

Em declarações à comunicação social, o Ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira, admitiu ter sido o responsável pela nomeação de Franquelim Alves para o cargo de secretário de Estado. “A responsabilidade é obviamente minha, que proponho a nomeação deste e de outros secretários de Estado”, disse, adiantando ainda que “o Dr. Franquelim Alves foi convidado exatamente pelo seu percurso profissional”.

O Bloco relembra que “o atual governante assumiu o lugar na SLN em 2007, partilhando um lugar no conselho de administração ao lado de Oliveira e Costa, sendo responsável pela área não-financeira da SLN, onde era responsável pelos investimentos em setores como o imobiliário, a saúde, o turismo e a indústria transformadora, entre outros”.

O atual Secretário de Estado depôs na Comissão Parlamentar de Inquérito ao BPN, onde tentou explicar aos deputados porque aprovara as contas da SLN de 2007, admitindo mesmo que nessa altura já todos percebiam o que se estava a passar com o Banco Insular de Cabo Verde, por onde passava uma parte importante dos prejuízos ocultos da gestão de Oliveira e Costa.

"Não aprovar seria um colapso completo da própria situação", confessou então. Teve conhecimento de irregularidades que devia ter comunicado às autoridades competentes, mas não o fez. “Eu julgo que acima de tudo ouve uma atitude de prudência no momento em que havia uma certeza inequívoca de que havia a ocorrência de casos graves”, disse no Parlamento.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados BPN: A fraude do século, Política

Adicionar novo comentário