Está aqui

Ataque terrorista em Londres faz 7 mortos e 48 feridos

Com apenas quatro dias até às eleições, todos os partidos políticos suspenderam a campanha durante o dia excepto o UKIP, de extrema-direita. 
Ponte de Londres na noite do ataque terrorista. Por Will Oliver, EPA/Lusa.
Ponte de Londres na noite do ataque terrorista. Por Will Oliver, EPA/Lusa.

Pelas 22h07 de sábado, na Ponte de Londres, uma carrinha atropelou vários transeuntes de forma deliberada e prosseguiu para “Baker High Street”. No Mercado de Borough, os três atacantes saem da carrinha e, armados com facas longas, agridem várias pessoas. Pelas 22h14, ambulâncias e paramédicos chegam ao local e, pelas 22h16, polícias armados disparam contra os atacantes, que morreram. 

Durante o ataque, 6 pessoas morreram, tendo esta manhã sido confirmada mais uma morte no hospital. Não há ainda informação pública sobre o estado dos 48 feridos. Pelo menos um dos feridos é de nacionalidade francesa e outro é australiano. Não há, até ao momento, informação de algum português estar entre as vítimas. 

O Chefe da Polícia Metropolitana declarou esta manhã a situação sob controlo, tendo várias unidades policiais contra-terrorismo feito buscas na área durante toda a noite. 

A identidade e motivos dos atacantes ainda não foi confirmada ou apresentada ao público, mas o ataque está a ser tratado oficialmente como “um potencial ato terrorista”. Segundo as autoridades, um incidente de esfaqueamento em Vauxhall, também no sábado à noite, não teve qualquer relação com o ataque de Londres.

Com apenas quatro dias até às eleições, todos os partidos políticos suspenderam a campanha durante o dia excepto o UKIP, de extrema-direita. 

Jeremy Corbyn condenou os ataques "brutais e chocantes", deixa o seu apoio às famílias das vítimas e agradece o trabalho dos serviços de emergência. Numa mensagem público de esta manhã de domingo, confirma a suspensão da campanha durante o dia, retomando ao final do dia, declarando que "não permitiremos que terroristas descarrilem o nosso processo democrático." 

Os Conservadores suspenderam igualmente a campanha este domingo. A primeira-ministra Theresa May declarou que a campanha será retomada na segunda-feira. 

Numa nota oficial no facebook, a primeira-ministra declara que desde o ataque em Manchester que “agências de informação e a polícia evitaram 5 ameaças credíveis desde o ataque em Westminster em Março”. E acrescentou, “no que toca ao seu planeamento e execução, os ataques recentes não estão relacionados.” 

Termos relacionados Internacional

Adicionar novo comentário