Está aqui

Alterações climáticas: Trump rasga acordo de Paris

Ao rasgar o acordo de Paris, sob o pretenso pretexto de dar impulso à economia norte-americana, Donald Trump confirma que a sua eleição como Presidente dos EUA “é um perigo global”.
Donald Trump anuncia na Casa Branca que os EUA rasgam o acordo de Paris – Foto de Molly Riley/Epa/Lusa
Donald Trump anuncia na Casa Branca que os EUA rasgam o acordo de Paris – Foto de Molly Riley/Epa/Lusa

No dia da eleição de Donald Trump, a comissão política do Bloco de Esquerda salientou:

A eleição de Trump é um perigo global, pela sua declaração de guerra contra o planeta, feita logo na campanha eleitoral. Os EUA, a segunda maior economia do mundo, têm agora um presidente que nega a existência de alterações climáticas e quer cancelar o acordo de Paris.

A decisão, já esperada, anunciada nesta quinta-feira, 2 de junho de 2017, por Donald Trump de rasgar o acordo de Paris, confirma a análise bloquista de novembro passado.

"Para proteger a América e os seus cidadãos, os EUA vão sair do Acordo de Paris", afirmou Donald Trump, mas na verdade não se trata da proteção do país e dos seus cidadãos, mas da sua decrépita indústria petrolífera e dos seus poderosos acionistas.

Ao rasgar o acordo, o presidente dos EUA diz demagogicamente que está pronto para negociar um novo acordo sobre o clima “em termos justos para os Estados Unidos”, quando são os EUA os maiores responsáveis pelas alterações climáticas e atualmente o segundo país que mais negativamente contribui.

“A partir de hoje os EUA vão cessar a aplicação de todos os termos do Acordo do Clima de Paris”, disse Trump, mas anunciou logo a disposição em entrar de imediato em negociações. “Vamos sair, mas vamos começar logo a negociar para fazer um negócio que seja justo para os EUA”, afirmou o presidente norte-americano, mas foi também dizendo “Se conseguirmos, óptimo. Se não conseguirmos, também está tudo bem”.

Como afirmou Michael Löwy, em entrevista ao esquerda.net: "Trump representa a oligarquia fóssil e o negacionismo climático, a receita para a catástrofe ecológica".

Em resposta à declaração de Donald Trump, França, Itália e Alemanha emitiram um comunicado conjunto afirmando que o acordo de Paris não pode ser renegociado. "Consideramos que o impulso gerado em dezembro de 2015 em Paris é irreversível e acreditamos firmemente que o Acordo de Paris não pode ser renegociado, pois é um instrumento vital para o nosso planeta, sociedades e economias", afirmaram os três países em comunicado, segundo o Público.

Notícia atualizada às 23.20h de 1 de junho de 2017

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Ambiente

Comentários

Mas que grande TRUMPalhada vai nos E.U.A. !
A Governação norte-americana, dá a entender que são a maior Democracia e Potência do planeta. Como tal, são eles que têm o direito de Policiar os restantes Estados do Globo. Cabe a eles dirigir as operações militares sobre os Países que entenderem.
Climaticamente falando, gostam de impôr aos outros ordem, mas eles preferem que a sua economia cresça, através de uma indisciplina poluidora, não respeitando o bem estar dos outros povos.
A imoralidade e a prepotência é tanta, que sendo um dos países mais poluidores, reforça essa mesma poluição, vaporizando quimicamente a atmosfera com produtos tóxicos, baseados em teorias ridículas sobre o aquecimento global.
Por todo o Planeta, já existem provas científicas, que os rastos químicos, lançados pelos aviões militares norte-americanos, estão a causar graves problemas respiratórios às populações. Na INTERNET é fácil encontrar depoimentos de vários do meio cientifico sobre este assunto.
Se o Presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker denunciou que os Europeus não querem ser vassalos dos E.U.A., então parem de imediato com as PULVERIZAÇÕES QUÍMICAS SOBRE SOLO EUROPEU JÁ!

Adicionar novo comentário