Está aqui

Abrantes: Bloco denuncia “atentado ambiental a céu aberto”

O esgoto está a alimentar a linha de água no Vale da Fontinha, onde surgiu poluição que se acumula em várias zonas, provocando “um cheiro nauseabundo”. A Câmara Municipal, liderada pelo Partido Socialista, nega qualquer problema. 
Foto: Bloco de Esquerda de Abrantes.
Foto: Bloco de Esquerda de Abrantes.

O Bloco de Esquerda de Abrantes denunciou na passada terça-feira uma situação que diz “não poder aceitar” e que coloca “em causa a saúde pública”. O esgoto está a alimentar a linha de água no Vale da Fontinha, onde surgiu poluição que se acumulou em várias zonas, provocando “um cheiro nauseabundo”.

Os executivos do Partido Socialista sofrem de “ausência de consciência ambiental”, diz à mediotejo.net o porta-voz do Bloco de Esquerda de Abrantes. “A situação arrasta-se, pelo menos, desde 2009”, diz, e “há alturas em que as pessoas se queixam que se nota mais”.

Armindo Silveira assumiu que fez, a título pessoal e enquanto membro da Assembleia Municipal de Abrantes, uma queixa à PSP e ao IGAMAOT (Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território). Caso não se verifique solução ou preocupação perante o alertado, o partido pondera “fazer perguntas diretamente ao Ministério do Ambiente”, à semelhança do que tem feito noutro casos do concelho, por exemplo o açude insuflável, o travessão do Pego, ou o aterro intermunicipal de Abrantes.

“A Câmara Municipal de Abrantes tem conhecimento destas situações, algumas é ela própria que origina, e as coisas quando não são visíveis, a Câmara deixa arrastar, até que depois haja situações como esta”, disse.

Para Armindo Silveira, a Câmara não tem tratado o ambiente de “forma responsável”. Neste momento, achamos que a Câmara Municipal não é responsável (…) Não confiamos na CMA nas questões do ambiente”, afirmou.

O deputado municipal e também candidato à Câmara Municipal de Abrantes, Armindo Silveira, efetuou visita na sexta-feira passada, com um cidadão queixoso, àquele local, e registou em vídeo o estado daquela linha de água.

Questionado pelo mediotejo.net, o vereador responsável pelo pelouro do Ambiente, Manuel Valamatos, negou a existência de atentado ambiental naquele local.

“Não há atentado nenhum. Eu tenho conhecimento que houve um questão no coletor, e que originou uma descarga pelo tubo. Mas não se trata de uma coisa continuada, trata-se de um episódio circunstancial, em que a Abrantáqua diz que inclusivamente aparecem pedras no coletor, o que os deixou surpreendidos e acham até que há ali um ato de negligência… Não conseguem perceber como aparecem pedras no coletor”, explicou, notando que a Câmara está a “averiguar” e que aguarda a chegada de mais informação por parte da Abrantáqua, acrescentando estar em “articulação com a Agência Portuguesa para o Ambiente, para tentar perceber o que aconteceu ali verdadeiramente”.

Armindo Silveira responde que “nós não podemos continuar a permitir este tipo de discurso, pois são casos de saúde pública (…) as próprias terras estão a ser contaminadas por esta linha de água”.

Também os candidatos do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal e à União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede, Pedro Grave e Miguel Moreira, estiveram presentes na conferência.

Pedro Grave relembrou que “há 8 anos atrás estivemos aqui nesta mesma situação, e estava como está agora. Não há grandes diferenças, se houver, é para pior”. O candidato assumiu que o partido irá “até onde for necessário, porque isto não pode continuar de maneira nenhuma. É um atentado ambiental”, concluiu.

Também Miguel Moreira, candidato à União de Freguesias Abrantes e Alferrarede, entende que “este tipo de episódios marcam a diferença entre as sociedades que são desenvolvidas e evoluídas, e aquelas em que se passa o contrário. E em Abrantes, se queremos ser uma sociedade virada para o futuro, evoluída, não podemos continuar a ter este tipo de acontecimentos aqui no centro da cidade, prejudicando o meio ambiente, os nossos solos e linhas de água, o nosso rio, que é um recurso tão importante e valioso”.

 

Termos relacionados Autárquicas 2017, Ambiente

Adicionar novo comentário